Blog

Informação e pesquisa para melhores decisões de marketing online

Siga-nos!

   Perfil no Google Plus Feeds RSS


Gostou? Divulgue!

Você tem um blog e gostou de nosso conteúdo? Adicione um botãozinho para nós em seu blogroll. Basta copiar o código a seguir!

O resultado será:
Géssica Hellmann & Cia - Consultoria de Marketing de Conteúdo


Pesquise (via Ixquick)




Neste SiteNa Web



Direitos Autorais

O conteúdo deste blog é protegido por direitos autorais. Se você quiser reproduzir na web qualquer conteúdo originalmente publicado aqui, lembre-se de atribuir a autoria a Géssica Hellmann & Cia. Ltda e incluir um link direto para página de onde copiou o conteúdo.
Licença Creative Commons

Licença Creative Commons
Para mais detalhes, consulte nossa página sobre Direitos Autorais

Protegido contra plágio

Protected by Copyscape Online Plagiarism Test

Diretórios
5e82e314-6c21-454b-b188-49d50f892d2d
Business blog


Arquivos


Missão: Divulgar pesquisa, informações e opinião para orientar as decisões de executivos e empresários que não acreditam em soluções mágicas.

Marketing para músicos iniciantes – Parte 3 – Adquirindo competência técnica

Arquivos:

Autor: Géssica Hellmann | Data: 12/04/2012 |


Marketing musical: a competência técnica é o primeiro passo para o sucesso - Imagem por Géssica Hellmann

Marketing musical: a competência técnica é o primeiro passo para o sucesso – Imagem por Géssica Hellmann

No artigo anterior, tratamos do estabelecimento de objetivos. Explicamos como fazer uma programação de tarefas semanais e mensais para concretizar uma realização de maior alcance num horizonte de 6 meses a 2 anos. Neste artigo, iniciamos a parte “mãos à obra”’desta série, permitindo que o músico identifique em que etapa da carreira ele se encontra e o que deve fazer em cada uma delas.

Finalmente, as etapas!

Talvez a maior dificuldade que as pessoas enfrentam para cumprir a tarefa de estabelecer os seus objetivos seja, justamente, conseguir vislumbrar qual resultado seria realista esperar dentro de seis meses, considerando a etapa da carreira em que você se encontra hoje. Esse problema ocorre especialmente porque você, provavelmente, sequer sabe em que etapa sua carreira se encontra hoje!

Sendo assim, os próximos artigos desta série serão dedicados à descrição das etapas da carreira musical que antecedem o sucesso profissional propriamente dito, para que você identifique que tarefas precisa realizar e que objetivos deve perseguir durante os próximos anos.

Etapa 1 – Adquira o nível mínimo aceitável de competência técnica em seu estilo musical

Antes de entrarmos nos detalhes desta etapa, você vai gostar de ler alguns exemplos de situações reais.

Quatro exemplos práticos de competência técnica

Cena 1: Uma cantora iniciante mas que já havia obtido algumas boas críticas em jornais conseguiu agendar um show no teatro de uma grande empresa. Seu show consistia em nada menos do que um conjunto de covers de Elis Regina, nos quais ela poderia exibir sua apuradíssima técnica vocal. Sala cheia, acompanhada de bons instrumentistas, cantou várias músicas e já começava a empolgar o público quando, simplesmente, esqueceu a letra de uma das canções. Tentou improvisar, engasgou, interrompeu a canção. Pediu desculpas constrangidas à plateia e, daquele ponto em diante, o show perdeu o encanto.

Cena 2: Show do guitarrista Victor Biglione em um pequeno espaço de jazz. Em plena execução de um solo mais complexo, a corda número 1 de sua guitarra arrebentou. O experiente guitarrista continuou tocando sua música, adaptando-se à ausência da corda número 1, até o ponto em que a corda número 2 também arrebentou. Ele ainda tentou continuar tocando mas, vendo que era impossível, pediu duas cordas ao assistente de palco e trocou-as tranquilamente enquanto o restante da banda prosseguia com a execução, preenchendo os espaços deixados pela guitarra com solos de teclados e outros instrumentos. Com cordas trocadas e afinadas, fez um sinal à banda para tocar os últimos compassos e completar a música. O público foi ao delírio.

Cena 3: Show da banda Quiet Riot na década de 1980. Tudo estava correndo bem quando os amplificadores de guitarras deixaram de funcionar. Durante os longos 20 minutos necessários ao conserto dos amplificadores, o vocalista Kevin Dubrow dedicou-se a divertir a plateia contando piadas e conversando com o público. A notícia correu o mundo e, certamente, ajudou a aumentar ainda mais o sucesso de uma banda que estava no seu auge.

Cena 4: Show ao ar livre do cantor Daniel em praia do litoral catarinense. O show mal havia começado quando um blackout afetou toda a cidade. Após acalmar o público convidando-o a se sentar, o artista reaparece para apresentar seu show em cima do próprio caminhão equipado com sistema de som próprio. Após o restabelecimento da energia elétrica, o artista voltou ao palco para completar o show diante de uma plateia entusiasmada diante de seu profissionalismo.

Qual o ponto chave para entendermos as lições das quatro cenas anteriores? Sem dúvida, é a competência técnica entendida em seu sentido mais amplo: não se trata apenas de “saber fazer o certo”, mas também de “saber o que fazer quando as coisas dão errado”.

Obtenha indicadores de desempenho realistas sobre sua competência técnica

Embora pareça óbvio que todo músico precisa de um mínimo de competência técnica caso queira ter uma chance real de impressionar o seu público, esta etapa é justamente a que produz o maior número de enganos. Muitas carreiras musicais promissoras foram abortadas logo nesta primeira etapa, por erro de avaliação do músico quanto à própria competência.

O primeiro ponto é observar que o erro ocorre nas duas direções. É possível encontrar muitos casos de músicos “afobados” que tentaram se estabelecer profissionalmente antes de obter a competência mínima necessária para se apresentar em público e, após vários fracassos, acabaram desistindo da carreira. Mas também há uma multidão de casos de músicos excessivamente auto-exigentes, cujo perfeccionismo os impede de se considerarem “prontos” para se apresentar em público, mesmo que já tenham estudado e praticado por décadas a fio.

Para fugir dessa armadilha, é preciso estabelecer indicadores de desempenho realistas. Em primeiro lugar, você precisa pesquisar quais são as competências técnicas mínimas exigidas de um músico em seu próprio estilo musical. Talvez você não esteja pronto para uma grande estreia em certo estilos que exijam execução perfeita, mas é possível que sua técnica já seja bastante aceitável para outros estilos em que, por exemplo, elementos como “atitude” e “energia” sejam mais importantes do que um eventual virtuosismo.

Em segundo lugar, é importante procurar opiniões qualificadas sobre suas competências técnicas. Um professor de música, um maestro ou um músico profissional experiente sem dúvida poderão fornecer alguns indicadores práticos para orientá-lo na formulação de seus objetivos nesta etapa. De qualquer forma, arme-se do espírito de “detetive” e mantenha disposição para ir além das respostas mais superficiais. Quando o objetivo é descobrir uma forma de avaliar a si mesmo, sempre é bom perguntar a mais de uma pessoa. Também é conveniente observar pessoalmente, comparecendo a apresentações de músicos experientes e tomando nota das competências que você pode se esforçar para adquirir após 6 meses, 1 ano, 18 meses ou 2 anos de treino.

Conselhos práticos

Seguem alguns conselhos aparentemente óbvios, mas extremamente úteis:

  • Domine a técnica da sua música. Seja você um instrumentista, cantor ou compositor, mais de 50% de sua competência técnica corresponde a saber fazer corretamente o que se espera de você: compor, cantar, tocar corretamente as músicas que você escolheu apresentar ao seu público.
  • Ensaie obsessivamente. O objetivo aqui é fazer mais do que “tocar ou cantar sem errar”: o que você deseja é tocar ou cantar com tamanha naturalidade que o público não perceba seu esforço.
  • Ensaie o que fazer em situações em que as coisas dão errado. Por exemplo, você pode ensaiar previamente o que fazer em uma situação em que o cantor esqueça a letra, uma guitarra perca uma corda ou aconteça uma pane elétrica nos amplificadores.
  • Aprenda a fazer a manutenção básica do seu equipamento/instrumento. Cabos, microfones, amplificadores, pedais, teclados, baquetas, cordas, palhetas, tudo isso requer cuidados especiais de transporte, armazenagem, manuseio e utilização. Aprenda quais são esses cuidados e saiba pelo menos realizar uma manutenção preventiva quando for o caso. Desta forma, você evitará surpresas desagradáveis em momentos cruciais de sua carreira.
  • Tenha backups. Teoricamente, você deveria ter pelo menos um backup de cada item que pode dar defeito durante uma apresentação. Entretanto, esse ideal pode se tornar facilmente inviável tanto do ponto de vista financeiro como do logístico. Assim, você deve decidir quais são os itens que não podem faltar em hipótese alguma durante uma apresentação em público e providenciar backups para esses itens. Para os demais itens, procure ensaiar o que fazer para manter o respeito do público caso você precise deles e não os tenha à mão.
A importância da competência técnica é poupar energia para o aprendizado nas etapas seguintes

Vale repetir: competência técnica é mais do que simplesmente saber fazer o certo, é saber o que fazer quando as coisas dão errado. De fato, o objetivo aqui é conhecer todos os detalhes que fazem a qualidade de uma apresentação do seu estilo musical e tomar todas as providências para que todos os aspectos principais de suas apresentações em público tenham sempre a maior probabilidade possível de funcionar bem do início ao fim. Ao atingir esse objetivo, você estará pronto para se apresentar em público e causar uma excelente impressão em sua plateia, mesmo que se trate de sua estreia.

Mais do que isso: ao atingir o estágio em que você tem sob seu controle todos os elementos básicos de uma apresentação musical em público, você libera energia do seu cérebro para as etapas seguintes, em que a chave do sucesso é o aprendizado por observação. Você simplesmente não conseguirá observar nada se, durante o todo o tempo em que estiver no palco, você ficar preocupado em conseguir tocar o próximo acorde ou em se lembrar da próxima estrofe. Você precisa de confiança na sua capacidade de resolver esses problemas básicos. Fique certo de que o público perceberá sua confiança e responderá de acordo.

O que esperar do próximo artigo

A aquisição de competência técnica é uma etapa que não deveria ser “queimada” por músico algum. Afinal, ela propicia o fundamento de tudo mais que virá a seguir. Mas é apenas a primeira etapa. O objetivo é libertar o músico da ansiedade com pequenos detalhes, deixando-o à vontade para aprender e evoluir nas etapas seguintes. O próximo artigo trata justamente das primeiras experiências de apresentação em público, enfatizando, como sempre, os objetivos de aprendizagem que se deve perseguir nessa etapa. Até a próxima quinta-feira!







Artigos relacionados

Os comentários estão fechados.

chat alexei_oliveira